Diário de Bordo


Toco e Me Voy

Sons vindos de berços musicais distintos, com sotaques carregados na mochila da história de quatro músicos, se fundem em um projeto criativo, multicultural e divertido intitulado Toco Y Me Voy.

Formada por Thiago Ribeiro (voz, guitarra e bandolim), Daniel Neto (acordeon e escaleta), Gustavo Marimbá (contrabaixo e percussão), Andres Cisilino (bateria), a banda traz em sua essência a fusão musical, a liberdade de combinar ritmos e estilos diversos e em busca de uma música sincera, genuinamente brasileira, que represente a particularidade de cada componente e a universalidade da música contemporânea.

Aqui, no Diário de Bordo da Toco Y Me Voy, vamos mostrar um pouco dos bastidores da gravação do videoclipe da música homônica a banda, realizado no dia 15 de abril de 2014.

O Processo
Encontro com a banda
Roteiro
Personagens
Locação
Arte e Figurino
Maquiagem
Fotografia
Produção
Edição e Montagem
Ficha Técnica
Clipe Final

Clipe Final - Toco y me voy

Toco Y Me Voy – Toco Y Me Voy (Clipe Oficial)

×

Encontro com a banda

Conhecemos a Toco Y Me Voy através da internet e conseguimos imaginar uma série de roteiros possíveis, por conta dos variados ritmos que as canções apresentavam. Logo no primeiro contato, feito inicialmente pelo telefone com o vocalista e músico Thiago Ribeiro, ele disse que o grupo tinha vontade de fazer um videoclipe para a canção intitulada Toco Y Me Voy (homônima à banda), porém, ainda não havia um roteiro definido para o videoclipe. A única certeza que eles tinham era de que a ideia deveria ter coerência com a letra da música.

Marcamos um encontro para conhecer mais sobre o grupo e ficamos em dúvida entre duas canções: uma era a “Toco Y Me Voy”, que fazia parte do disco da banda que tinha sido lançado em 2013, e a outra se chamava “O Monte Azul”, que é uma das faixas do novo disco, ainda em processo de finalização e que deve ser lançado no segundo semestre de 2014.

Depois de conversar sobre a importância que cada uma teria para a divulgação do trabalho da banda, foi decidido, então, que o clipe seria da música “Toco Y Me Voy” por ser uma canção que fala muito sobre o grupo e sua essência: formado por pessoas de diferentes lugares, que trazem diversas influências para as suas composições. Além disso, realizar um videoclipe para essa música ajudaria a reforçar a divulgação do primeiro disco do grupo, enquanto o segundo ainda está em processo de finalização.

 

Roteiro

A música fala em “minha casa tem a porta aberta”, a banda é formada por 4 integrantes e cada um nasceu num canto, e o nome do grupo tem uma referência a mudança de lugar. Esse espírito de mobilidade e o conceito de que a banda é o verdadeiro lar dos músicos nortearam a concepção do clipe, que traz os quatro músicos morando dentro de uma kombi. Eles vivem lá (escovam os dentes, tomam banho, lavam roupa, etc) enquanto a kombi percorre a cidade e eles tocam, tanto no caminho quanto em todas as paradas. Tocam e se vão, rumo a outro lugar, pra repetir o ciclo.

Por Pedro Perazzo e Rodrigo Luna, roteiristas e diretores.

Personagens

Como o grupo tinha esse interesse por um roteiro relacionado com a letra da música, e pelo fato de a canção trazer a referência de “casa” e falar dos próprios integrantes da banda, os personagens do videoclipe seriam exatamente esses: eles e o lugar onde viveriam.

Assim que todos os integrantes aceitaram aparecer no videoclipe, tivemos que pensar em como seria essa casa, também personagem principal do roteiro. Logo de primeira, veio a ideia de ser uma kombi, por ser um carro espaçoso, no qual poderíamos explorar mais a construção de um ambiente de lar.

Acabamos descobrindo no Barbalho uma kombi original, de 1969, pertencente ao Seu Aliomar. Ela era utilizada principalmente para trazer mercadorias para o seu restaurante, chamado Bom de Papo. Explicamos um pouco sobre o projeto e a proposta do roteiro e pudemos contar com o apoio de Seu Aliomar e de seu filho, Danilo, que se disponibilizaram a ceder o carro para a gravação.

 

Locação

Como a proposta do videoclipe era mostrar a rotina da banda nessa casa móvel, pensamos em realizar as gravações em diferentes pontos da cidade, pegando imagens de dentro e fora da kombi, com o carro parado e também em movimento. As equipe de direção e produção fizeram um roteiro dos locais pelos quais o carro iria passar – e também ficar parado – para realizar algumas ações que foram pensadas no roteiro, como tomar café da manhã, lavar roupa, fazer a barba e, principalmente: tocar.

Desse modo, foi pensado o seguinte roteiro para o trajeto e, ao mesmo tempo, para a filmagem:

1. Rua Direita do Santo Antônio (Plano da banda acordando, próximo à kombi);

2. Canto da praça do Santo Antônio, em frente à Ladeira do Baluarte (Plano da banda tomando café da manhã e tocando);

3. Percurso do Santo Antônio ao Bonfim (Planos da banda tocando dentro da Kombi)

4. Rua Henrique Dias, Bonfim (Plano de algum integrante fazendo a barba)

5. Rua Octavio Barreto, Bonfim (Plano da banda pendurando roupas em um varal montado na parte externa da Kombi)

6. Ruas Henrique Dias e Octavio Barreto, Bonfim (Planos da Kombi em movimento, visões interna e externa)

7. Canteiro/Pracinha da Ribeira, curva anterior à da Sorveteria (Plano de algum integrante tomando banho)

8. Rua paralela à Orla da Ribeira (plano da banda tocando enquanto se distancia da kombi)

Resolvemos concentrar a gravação no centro e na cidade baixa principalmente por serem regiões que apresentam características próprias, uma estética diferente de outros lugares da cidade. Além disso, também escolhemos ruas e locais que fossem mais tranquilos, de modo que não precisássemos fechar o trânsito para realizar as gravações.

 

Arte e Figurino

O roteiro é uma banda itinerante que vive em uma kombi tocando por aí, a música era alegre, dançante, cheia de misturas, passageira… Pedia também uma palheta de cores vivas, mas suaves, verdes, azuis, vermelhos e uma pitada de cor mais forte aqui e ali, assim, de passagem… As formas já exigiam aquelas curvas confortáveis, familiares, com gostinho de lembrança daquelas férias de verão em mil novecentos e… A panelinha de ágata, a kombi, as mesinhas de camping, como naquela viagem de férias, daquela vez… lembra?

Texto por Renata Soutomaior, diretora de arte e produtora de figurino.

 

Maquiagem

Seguindo a tendência o mais naturalista, o clipe da “Toco y Me Voy” exigia que a maquiagem trabalhasse no sentido de evidenciar cada músico como é. Houve a busca por deixá-los o mais à vontade possível para que se mostrasse a personalidade de cada um e suas escolhas de vida que refletem diretamente na produção de sua música.

Texto por Nayara Homem, Maquiadora e Cabeleileira.

 

Fotografia

O roteiro do videoclipe da Toco Y Me Voy foi pensado para ser realizado, em sua grande maioria, em locações externas, com exceção das cenas gravadas dentro do carro. A opção sempre foi aproveitar a luz do sol para filmar. Olhamos a previsão do tempo para ter certeza de que não seria um dia chuvoso e também pensamos em um período de filmagem que pudesse aproveitar a luz natural o máximo possível, ou seja, planejamos a diária começando às 7h e podendo ir até 17h30.

Além da câmera e dos acessórios básicos, usamos um rebatedor de lados branco e prateado para projetar a luz do sol de forma mais leve e branda (no caso do lado branco) e também funcionar como um espelho, refletindo a luz de forma mais intensa (no caso do lado prateado). A utilização de cada lado do rebatedor dependia da intensidade da luz do sol no momento da gravação e também da intenção do diretor de fotografia.

Além disso, é importante destacar que os enquadramentos foram pensados para registrar cada uma das ações previstas no roteiro da melhor forma possível. Utilizamos, por exemplo, a van da equipe como uma espécie de câmera car para captar imagens da kombi em movimento pela cidade.

 

Produção

A produção é o setor responsável por organizar todas as questões e demandas que envolvem a realização de um videoclipe. Desse modo, sua equipe deve estar atenta principalmente às necessidades das equipes técnicas (direção, direção de fotografia, direção de arte) e do seu próprio setor, para que não falte nada e tudo corra da melhor forma possível.

No caso do videoclipe da Toco Y Me Voy, a preparação consistiu na definição da equipe técnica; encontro com a banda; elaboração do roteiro e das ações que fariam parte do videoclipe; elaboração do orçamento para execução; e elaboração de um projeto resumido, para solicitação de apoios e parcerias.

Assim que o roteiro foi finalizado e as demandas estabelecidas, entramos na etapa de pré-produção. O primeiro passo foi conseguir um dos personagens principais: o carro-casa do grupo. Encontramos uma kombi azul, modelo 69, no bairro do Barbalho e descobrimos que ela pertencia ao dono do Restaurante Bom de Papo. Conseguimos fechar uma parceria com ele, de modo que pudéssemos ter o carro disponível por uma diária, para realizar as gravações. Logo em seguida, marcamos uma visita com Renata Soutomaior, Diretora de Arte, para ela conhecer o carro, tirar as medidas e pensar em como dressar, ou seja, montar o cenário dentro e fora da kombi.

Assim que foi definido isso, pudemos fazer o check list com as outras demandas. Desse modo, elaboramos uma ordem do dia, com os horários de filmagem para cada sequência; contratamos a van que iria transportar a equipe e integrantes da banda; organizamos e repassamos os horários em que a van passaria para buscar cada um em casa; contratamos um segurança particular para termos proteção em relação aos equipamentos e podermos realizar as gravações externas; providenciamos uma caixinha de som móvel para tocar o playback; compramos lanche e água para a equipe – sendo que, por ser todo em locações externas e em um dia bem quente, a quantidade de água comprada foi maior que nos outros casos; compramos e pegamos emprestado com parceiros os objetos de cena acompanhados pela direção de arte; compramos o material necessário para fazer o rebatedor (isopor, papel laminado, fita, etc) para a equipe de fotografia; e fechamos o local em que iríamos almoçar.

Cumpridas essas demandas, já estava tudo pronto para a etapa de produção, ou seja, o dia da gravação, que foi 15 de abril de 2014, das 6h às 15h. Marcamos o ponto de encontro no Restaurante Bom de Papo, localizado no Barbalho, onde a kombi estava estacionada. Lá no restaurante, tomamos café da manhã; fizemos a maquiagem da banda, troca de figurino e montagem do cenário dentro da kombi; e as equipes de direção e de fotografia afinaram o plano de filmagem, discutindo que tipos de planos seriam importantes para o clipe.

Partimos para a rua, seguindo o roteiro feito anteriormente, por volta das 7h30. É importante destacar que, como se trata de uma filmagem realizada em locações externas e em movimento, optamos em fazer uma base de produção móvel. Ou seja, não existiam lugares fixos para acomodar a equipe. Todo o material (equipamentos, lanche, água, figurino, objetos de cena) ficava armazenado em um automóvel (carro de produção) ou então na van da equipe. Foi uma opção para termos mais mobilidade e otimizarmos o tempo o máximo possível, já que dependíamos da luz do sol para filmagem. Almoçamos por volta das 12h30 em um restaurante no bairro da Ribeira, última locação do dia, e encerramos a gravação às 14h30.

Assim, entramos na pós-produção, que são as atividades realizadas após a filmagem. Foi realizada a desmontagem do cenário que estava dentro da kombi e devolução dos objetos de cena emprestados; envio do material gravado para o editor iniciar o trabalho de montagem e edição do videoclipe; e pagamento dos equipamentos, transporte, segurança e demais serviços utilizados para a realização do videoclipe.

 

Edição e Montagem

Sempre acreditei na montagem como uma modelagem de massinha. Temos uma massa amorfa, conseguimos enxergar o que queremos fazer dela, mas quando finalizamos por completo nunca é exatamente como tínhamos pensado de início.

Gostei de trabalhar na edição dos clipes do Clipeteca porque os diretores Pedro Perazzo e Rodrigo Luna me deram muita liberdade criativa, especialmente no da banda Toco y me voy, já que na edição algumas coisas mudaram bastante quando comparadas ao roteiro original. Quando acredito em uma opção na montagem, gosto de defendê-la com convicção. Mas também gosto de ouvir as opiniões, de conversar a respeito, afinal, audiovisual é uma arte coletiva. No clipe da Toco y me voy isso funcionou muito bem e chegamos a um resultado que me deixou satisfeito, mas também aos diretores e à banda.

Texto por Dario Vetere, montador e editor.

Ficha Técnica

Equipe técnica:

Produção executiva e coordenação de produção: Flávia Santana

Direção de produção: Tais Bichara

Direção: Rodrigo Luna e Pedro Perazzo

Assistente de direção: Rodrigo Luna e Pedro Perazzo

Roteiro: Rodrigo Luna e Pedro Perazzo

Direção de Fotografia: Filipe Ratz

Assistente de fotografia: Heygo Freire

Direção de arte e Produção de Figurino: Renata Soutomaior

Assistente de direção de arte: Juan Rodrigues

Maquiagem e Cabelos: Nayara Homem

Edição: Dario Vetere

Segurança: George

Motorista: Jorge Martins

 

Toco y me Voy é:

Andres Cisilino – Bateria

Daniel Neto – Acordeon e Escaleta

Thiago Ribeiro – Voz, Bandolim, Guitarra

Gustavo Marimbá – Contrabaixo e percussão

 

Agradecimentos:

Danilo, Seu Aliomar, Carol Morena, Antônio Santana, Seu Hudson, Jeronimo Soffer, Agnes Cajaiba, Guarda Municipal de Salvador, Luna, Zi e Felini.

 

Apoio:

Restaurante Bom de Papo